jusbrasil.com.br
19 de Maio de 2022

Lula e a dinda do Guarujá

A reforma do apartamento tríplex do ex-presidente — que incluiu a instalação de um elevador privativo — foi paga por uma das empreiteiras envolvidas no escândalo de corrupção da Petrobras

Frederico Fernandes dos Santos, Advogado
há 7 anos

Lula e a Dinda do Guaruj

Bancar melhorias na Casa da Dinda, a residência de Fernando Collor, no Lago Norte, em Brasília, era uma das muitas maneiras de agradar ao então presidente, deposto do cargo por corrupção em 1992. A mesma tática foi e está sendo usada por empreiteiras para demonstrar afeição ao ex-presidente Lula. Em meados de 2014, depois de quase dez anos de espera, a ex-primeira-­dama Marisa Letícia viajou à Praia das Astúrias, no Guarujá, para buscar as chaves do apartamento dos sonhos da família. O refúgio dos Lula da Silva no litoral é um tríplex de 297 metros quadrados. São três quartos, suíte, cinco banheiros, dependência de empregada, sala de estar, sala de TV e área de festas com sauna e piscina na cobertura. Ah, sim, para um eventual panelaço das elites, o tríplex tem varanda gourmet no 1º andar. O plano de comemorar o réveillon no imóvel foi adiado pela decisão de fazer ali uma reforma. O porcelanato e os acabamentos de gesso foram refeitos, a planta interna foi modificada para abrigar um escritório e um elevador privativo, interligando os ambientes do 1º andar com a ala dos quartos, no 2º nível, e a área de festas, na cobertura. Acompanhada de perto por dona Marisa, a obra não custou um centavo à família do ex-presidente. Do primeiro parafuso ao último azulejo, tudo foi pago pela OAS, uma das empreiteiras envolvidas no escândalo de corrupção da Petrobras.

VEJA teve acesso a documentos e a fotos (em VEJA. Com) que detalham a reforma do tríplex presidencial e mostram que os serviços foram contratados pela empreiteira. O trabalho foi feito pela Tallento Inteligência em Engenharia, uma empresa conhecida no mercado por executar obras de alto padrão em prazos curtos - duas exigências dos contratantes, mas não as principais. A exigência maior era a discrição. As investigações da Lava-Jato revelariam meses depois as razões disso. Iniciada em 1º de julho de 2014, a reforma transcorreu sob medidas de segurança incomuns. A fechadura da porta de acesso era trocada toda semana. A reforma da cobertura tríplex chamou a atenção dos moradores do prédio.

"Nos dias em que eles marcavam para visitar a obra, a gente tinha de parar o trabalho e ir embora. Ninguém era autorizado a permanecer no apartamento. Só ficamos sabendo quem era o dono muito tempo depois, pelos vizinhos e funcionários do prédio, que reconheceram dona Marisa e o Lulinha (Fábio Luís Lula da Silva, o filho mais velho do ex-presidente)", disse a VEJA um dos profissionais que colaboraram na reforma. O ex-presidente Lula esteve no tríplex algumas vezes. O segredo durou até dezembro do ano passado, quando o jornal O Globo publicou detalhes de uma investigação sobre a Coo­pe­rativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop). Controlada pelo PT, a entidade faliu e deixou 3 000 famílias sem receber seus imóveis. O tríplex destinado a Lula, com uma das melhores vistas do Guarujá, avaliado em 2,5 milhões de reais, foi um dos poucos a ser entregues. VEJA revelou em abril passado que, depois de um pedido feito pelo próprio ex-presidente a Léo Pinheiro, executivo da OAS, seu amigo, preso na Operação Lava-­Jato, a OAS assumiu a construção do prédio, que estava parada. Além de Lula, parentes do tesoureiro petista João Vaccari Neto, também preso, sindicalistas e familiares de Rosemary Noronha, a amiga íntima de Lula, foram contemplados com apartamentos em outros prédios da Bancoop assumidos pela OAS. Revelado o privilégio, e diante da repercussão negativa, desapareceu o entusiasmo da família Lula pelo imóvel.

O ex-presidente passou a negar ser o proprietário do tríplex, embora admita que sua esposa seja dona das cotas de um apartamento no mesmo edifício, o Solaris. Não é mentira. É apenas uma meia verdade. No papel, o tríplex ainda está em nome da OAS. Funcionários da empreiteira procurados por VEJA confirmaram que o apartamento pertence aos Lula da Silva, está parcialmente mobiliado, permanece fechado e está à venda por 2,3 milhões de reais. "Para entrar aí, só com autorização da cúpula da construtora. Só eles e o Lula têm a chave", disse a VEJA, na semana passada, um funcionário da própria OAS.

Fonte: VEJA

6 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Realmente a Veja é uma revista de quinta categoria. A revista investigou e descobriu que o Triplex está no nome da OAS, ou seja, a empresa é a verdadeira dona do imóvel. Mas a Veja, escarnecendo de nossa inteligência, vai ao local do imóvel e pergunta aos vizinhos quem é o dono do apartamentol e ouve deles que o proprietário do imóvel é o lula. Viu só? Para a Veja o imóvel é do Lula, mesmo ela dizendo no ultimo parágrafo que o imóvel está no nome da empreiteira.

É vergonhoso que alguém ainda dê crédito a essa revista. continuar lendo

É assim mesmo Paul.
Tudo bem simples.
Paciência. continuar lendo

O problema é que em nosso país o registro público vale mais que a realidade fática ... o Lula pode morar lá por mil anos e usufruir de todas as beneficies das reformas, mas o que está no cartório é o nome da empreiteira.

Aí vamos aos fatos: o Lula paga aluguel? Qual o valor? É compatível com seus rendimentos? Estes rendimentos foram obtidos de forma lícita? Ele mora de graça? Pq nenhuma construtora é tão boazinha assim com 99,9999999999% dos demais brasileiros? continuar lendo

Vendo essas coisas eu sinto até "pena" do Collor.
Sofreu um impeachment por tão pouco.
Como um Ministro do STF já disse: Comparando a Operação Lava Jato o escândalo de corrupção em seu governo (Anões do Orçamento) era para ter sido resolvido no Juizado Especial de Pequenas Causas.
É uma vergonha!
Todo mundo nesse governo fica milionário.
Mas ainda tem quem vai aparecer pra defender.
Eu já abri os meus olhos.
Abram os seus também! continuar lendo

Neste caso Lula, assim como no do FHC (apartamento em Paris) e ambos negados pelos respectivos ex-presidentes, é querer sair totalmente do jurídico para a fofoca, sendo a última parte em que se cita funcionários confirma o rumor de fofoca.
Acredito que todos os ex-presidentes e até os mais bem colocados na últimas eleições há alguma coisa a ser questionadas: Fazendo tio do Aécio, esse apartamento que era para ser do Lula que segundo a reportagem não foi pela repercussão negativa.

Uma coisa é certa, há revistas parciais: Veja e Carta Capital, ambas com sua ideologia ou partidárismo, ler de ambas acredito que é o ideal, mesmo que não chegam perto do jurídico e saiam do jornalismo para fofocas. continuar lendo